(11) 4142-5731 | sprayprocess@sprayprocess.com.br| Estrada do Itaqui, 711 - Jardim Nova Itapevi - Itapevi - SP - CEP: 06690-110

Processo de Secagem por Atomização

Processo de Secagem por Atomização

O produto a ser seco parte do tanque de alimentação, passa pelo filtro é transportado por uma bomba dosadora e direcionado através do conjunto de alimentação até o distribuidor do disco atomizador.

Por outra parte o ar de secagem é aquecido pelo queimador mediante o forno direto, onde através do conduto e distribuído pelo dispersor e entra em contato com a nuvem de produto produzida pelo disco atomizador.

A secagem se realiza dentro da câmara, saindo pelos condutos interconectores e chegando ao ciclone de recuperação de pó.

Todos os gases são aspirados pelo ventilador e jogados na atmosfera mediante a chaminé.

O pó eventualmente depositado nas paredes da câmara é desprendido pelos vibradores.

Através da válvula rotativa o produto acabado é recolhido, e mediante a saída de produto pode ser ensacado ou estocado segundo seu destino final.

Os gases do sistema e pequenas partículas coloidais arrastadas por estes gases, passam por um venturi que os comprime para hidratá-las e incorporá-las a água de lavagem que está circulando mediante uma bomba centrifuga especifica no lavador.

O equipamento é provido de um suporte e uma talha para a correta manutenção e limpeza do atomizador.

Introdução básica do processo de secagem

Os itens seguintes são uma primeira introdução básica do processo de secagem:

Alguns dos pontos resultam indispensáveis, para obter um panorama mais completo de nossos secadores Spray Porcess.

Processo de Secagem por Atomização

Esquema de elementos comuns aos diferentes métodos de secagem por atomização.

  • Alta vazão de ar de secagem provoca um rápido deslocamento do produto da câmara com aumento de umidade residual.
  • Baixa vazão de ar de secagem provoca longa permanência de produto na câmara, resultando um pó muito seco.
  • Alta velocidade do ar beneficia uma boa separação no ciclone.
  • Alta velocidade do disco atomizador resulta em partículas menores do produto.
  • Alta concentração do produto resulta partículas maiores do mesmo.
  • Baixa concentração do produto e alta velocidade do disco atomizador resultam partículas do produto muito pequenas, dificultando uma ótima separação ciclônica.
  • Com partículas muito pequenas e leves a extração do pó deve ser efetuada com filtros tipo manga.
  • Aumentar a vazão da bomba dosadora com temperatura de entrada constante resulta a diminuição da temperatura de saída.
  • A Temperatura de Entrada é o mesmo que a temperatura do ar que entra na câmara de secagem, o qual é introduzido através do dispersor de ar, por meio de um ventilador / exaustor, e que entra em contato com o produto pulverizado, realizando a vaporização.
  • O produto final (sólido) não é submetido à temperatura de entrada.

A temperatura do ar de secagem com os vapores do solvente mais a matéria seca, antes de entrar no ciclone, se denomina Temperatura de Saída. Esta temperatura não é necessariamente a temperatura da matéria seca, que segue relativamente fria de acordo com o tempo de permanência no equipamento. Portanto concluímos que a temperatura de saída pode ser considerada como a máxima temperatura que o produto final poderia atingir com um lento processo de recuperação.

Contrastando com a temperatura de entrada que somente é controlada através do queimador, a temperatura de saída tem vários controles, resultado dos seguintes parâmetros:

  • Temperatura de entrada.
  • Vazão do ar.
  • Vazão da bomba dosadora.
  • Concentração do produto a secar.
  • A ótima diferença entre a temperatura de entrada e temperatura de saída, chamada Δt é um dos pontos mais importantes a considerar quando secamos por atomização.
  • Aumentando a diferença de temperatura Δt com maior ingresso do produto dentro da câmara e mantendo a temperatura de entrada constante, a umidade residual do produto final aumentará.
  • Um ponto necessário a determinar na obtenção de um produto específico é o tipo de forno a ser utilizado. São denominados DIRETO E INDIRETO.
  • O secador com forno direto utiliza os mesmos gases de combustão, de combustíveis líquidos ou gasosos, para aquecer o ar de secagem. Esta mescla entra em contato direto com o produto.
  • O secador com forno indireto pode utilizar qualquer fonte térmica para aquecer o ar de secagem que através de um trocador de calor aquece o mesmo. No secador com forno indireto somente entra ar quente atmosférico e ou previamente filtrado.
  • Para um correto funcionamento de secagem por spray a dosagem do produto deve ser uniforme (não pulsante ) e constantemente controlada por microprocessador. A correta variação gradual da dosagem, faz com que o equipamento tenha um período de trabalho contínuo, sem eventuais interrupções.